quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

PODRES PODERES - Por Carlos Santiago*


Os poderosos da República Brasileira brigam por mais poder ou pela primazia de abusar dele no exercício de autoridades ou quando rasgam a Constituição Federal para receber dinheiro acima do teto salarial do funcionalismo público, o que nunca foi respeitado pelos poderosos.

Lutam também para ganhar mais verbas indenizatórias, mudando a lógica do salário, onde este vira um penduricalho de ganhos. Para tornar o quadro mais vexatório, estas chamadas verbas indenizatórias ganham status de principal renda, sendo algumas até sem tributações.

Enquanto os poderosos entram em luta fratricida contra a democracia, com ultimatos, pressões e chantagens em proveito próprio, o povo continua sem uma justiça célere e muita cara , um Congresso Nacional composto por uma maioria de malfeitores e uma parte do Ministério Público sedento por poder e de benéficos salariais infinitos. 

Eles, os poderosos, sempre se esquecem de um princípio constitucional: “ o Poder Emana do Povo”. A missão pública é para o benefício da sociedade, o povo é quem sempre paga a conta, é ele a razão da existência das instituições na República.

A realidade de milhões de brasileiros desempregados, milhões também sem educação superior, milhões nas filas de hospitais sem perspectivas de atendimentos, milhões sem moradias e usando transportes coletivos péssimos, não estão sensibilizando os poderosos.

O combate à corrupção deve ser perene, rápida e com dureza, mas sempre delineada por princípios constitucionais. O povo precisa ser também responsável por isso. No entanto, nada justifica ganhos lotéricos e abusos de autoridades por esses poderosos, situações em que a grande vitima é a própria sociedade.

Finalizo com um trecho da música de Caetano Veloso “Podres Poderes” que retrata bem o Brasil de hoje: “enquanto os homens exercem seus podres poderes, morrer e matar de fome, de raiva e de sede são tantas vezes gestos naturais”.

*Carlos Santigo é Sociólogo, Cientista Político e Advogado.