quinta-feira, 26 de março de 2015

STF abre inquérito contra presidente nacional do DEM acusado de receber propina


O Supremo Tribunal Federal (STF) acolheu pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot e decidiu abrir inquérito contra o presidente nacional do DEM, senador José Agripino (RN).

O parlamentar potiguar é acusado de receber R$ 1 milhão em propina, em 2010, para favorecer um esquema de corrupção no serviço de inspeção veicular em seu Estado, conforme denúncia feita em delação premiada pelo empresário George Olímpio, do Rio Grande do Norte. Agripino participou em Brasília do protesto do dia 15 pp. contra a corrupção e o governo Dilma.

O esquema do qual ele é acusado de favorecer é investigado pela Operação Sinal Fechado desde 2011, mas o caso só chegou agora ao STF. A ministra relatora, Carmem Lúcia decidiu mandar abrir inquérito. Segundo o autor da ação inicial, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP-RN), Olímpio montou um esquema que envolvia as principais autoridades locais para aprovar uma lei que criava o sistema de inspeção veicular no Estado.

Mas, segundo a denúncia, a lei foi votada sem obedecer aos trâmites legais. Aos promotores, o empresário George Olímpio denunciou que faziam parte do esquema, também, a ex-governadora e atual vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB); o filho dela, Lauro Maia; o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PMDB); e o ex-governador Iberê Ferreira (PSB). Todos negam envolvimento no caso. Iberê morreu de câncer em setembro pp.

No depoimento em delação premiada o empresário detalhou que o acerto com Agripino foi feito em Natal, na cobertura residência do senador. “A informação que temos é que você deu R$ 5 milhões para a campanha do Iberê”, teria dito Agripino, na época candidato à reeleição. Olímpio disse ter respondido que doou R$ 1 milhão e prometeu entregar R$ 200 mil imediatamente ao senador do DEM e outros R$ 100 mil na semana seguinte. “Aí ficam faltando R$ 700 mil”, teria retrucado Agripino. O empresário interpretou o comentário como “chantagem”. “O R$ 1,15 milhão foi dado em troca de manter a inspeção”, alegou Olímpio.

Quando foi divulgado (pelo Fantástico, da rede Globo, no início do ano) o vídeo da delação premiada, o presidente do DEM confirmou ter recebido Olímpio tanto em sua cobertura em Natal quanto em seu apartamento em Brasília porque o empresário é “parente de amigos” de seu pai.