terça-feira, 25 de agosto de 2015

Dilma reafirmou que para o Brasil superar os desafios da conjuntura atual é necessário enfrentar os problemas.

"Jamais é aceitável que se torça para o pior acontecer, porque quando acontece, quem paga é a população do País”, afirmou a presidenta. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Ao entregar casa própria para mais de 10 mil pessoas nesta segunda-feira (25) em São Paulo, a presidenta Dilma reafirmou que para o Brasil superar os desafios da conjuntura atual é necessário enfrentar os problemas. Citando o momento de dificuldades que enfrenta a economia chinesa, a segunda maior do mundo, a presidenta ressaltou que países no mundo todo estão enfrentando desafios e que é fundamental construir caminhos para que o Brasil supere rapidamente seus desafios.

“Quero dizer pra vocês que nós vamos superar esse momento de dificuldades. Todos nós que somos brasileiros e brasileiras sabemos que temos capacidade de superar desafios, de apresentar e construir caminhos e chegar a resultados. Quanto mais rápido fizermos isso, mais rápida será a superação das nossas dificuldades. Temos que enfrentar os problemas de frente.”

Desde 2009, quando foi criado, o Minha Casa Minha Vida já beneficiou a 9,2 milhões de pessoas com as 2,3 milhões de casas entregues. Foto Residencial Nova Catanduvas I: Ronaldo Junior/PR

Dilma lembrou também que quem sofre mais em um cenário de crise política e econômica, é a população. Por isso, declarou, “jamais é aceitável que se torça para o pior acontecer, porque quando acontece, o pior quem paga é a população do País”.

Dilma ressaltou a parceria entre as três esferas de governo em São Paulo. “Eu tenho certeza que essa parceria vai continuar. E ela está baseada em uma visão democrática e republicana da coisa pública. Nós podemos divergir, mas temos que agir juntos no que se refere a administração para proteger os interesses da população. Quando a gente age juntos, somos capazes de realizar mais e melhor.”

A presidenta citou exemplos de parceria que beneficiam a população. No combate aos efeitos da crise hídrica, o governo federal financiou duas obras importantes: a interligação das represas de Jaguari e de Atibainha, e o sistema São Lourenço. “Tenho certeza que se forem necessárias mais obras para viabilizar oferta de água aqui em São Paulo, mais obras nós faremos em parceria com o governador. Esses são alguns dos exemplos que nós tivemos de obras aqui. Existem muitas outras na área de saneamento, no investimento em rodovias.”

Fonte: Blog do Planalto