domingo, 6 de abril de 2014

OS DESAFIOS DO GOVERNADOR JOSÉ MELO - Por Carlos Santiago*

 
Na última sexta-feira (04), José Melo recebeu a faixa de governador do Amazonas e já iniciou uma longa caminhada rumo a sua reeleição. Os desafios são enormes; mas, enumero apenas três: fazer boa administração que reflita em pesquisas; montar uma forte aliança para disputar o cargo de governador com possibilidade de vitória; e, talvez o mais difícil, convencer os eleitores de que é o mais preparado para governar o Amazonas, entre outros candidatos.

Produzir uma gestão bem avaliada não será tarefa difícil para Ele, basta tão somente manter o velho modelo das últimas administrações estadual: construção de grandes obras públicas; fazer lançamentos de projetos alternativos à Zona Franca, tais como Terceiro Ciclo, Zona Franca Verde, Amazonas Rural e investir fortemente nas empresas de comunicação local. Vale lembrar que essa prática em nada melhorou a vida de muitos Amazonenses. Contudo, José Melo conhece bem esse roteiro, pois montou e colaborou com as Administrações de Amazonino (Terceiro Ciclo), Eduardo Braga (Zona Franca Verde) e Omar Aziz (Amazonas Rural).

A articulação de uma aliança capaz de disputar e vencer as eleições também não será um desafio difícil para José Melo, uma vez que é um articulador nato. Há décadas trabalha na montagem de alianças eleitorais governistas. Um estrategista em fazer acordos com prefeitos e ex-prefeitos, organizar adesão de partidos políticos, trazer parlamentares para a base de apoio do governo e manter uma boa relação com o Poder Judiciário, são tarefas tranquilas para o atual governador. É só perguntar ao Amazonino, ao Eduardo Braga e ao Omar Aziz, como José Melo sabe jogar neste campo.

O desafio mais difícil, talvez, seja a conquista dos eleitores para o projeto da reeleição. Embora, Melo já tenha sido eleito deputado estadual e federal, sempre, com votação expressiva, ele nunca disputou um cargo majoritário em que pudesse expor suas ideias, sua vocação. Homem de conversar ao pé de ouvido, do bilhete de bolso e das pequenas reuniões, Melo terá que convencer o eleitor do Amazonas que é capaz de administrar a máquina pública melhor do que os seus opositores, em especial, Eduardo Braga que tem se notabilizado como político tocador de obras, de fala mansa e que não entra em bola dividida (é só olhar a atuação dele no Senado Federal). O que pesa sobre Braga, até hoje, são os escândalos de corrupção no Amazonas e grandes obras com denúncias de superfaturamento.

Os desafios de José Melo são enormes, mas Ele sabe lidar e azeitar o modelo de máquina pública que produz caciques. Conhece bem o “caminho” para construir alianças vencedoras, porém, como homem de bastidores, terá muitas dificuldades para superar caciques que Ele ajudou a construir e a manter no poder.

*O autor é Cientista Político, advogado e com habilitação em Marketing e Propaganda